Mensagem do Presidente do Conselho de Administração

Em 2001, as Telecomunicações de Moçambique, EP comemoraram 20 anos de existência como empresa autónoma criada na sequência da separação havida em 1981 entre os serviços de telecomunicações e os serviços de correios. Foram 20 anos que testemunharam um grande esforço pela melhoria contínua da qualidade dos serviços disponibilizados pela rede nacional de telecomunicações, que a empresa foi progressivamente expandindo e colocando à disposição dos seus clientes e utilizadores.

O ano de 2001 representou também a consolidação da implementação de uma nova filosofia de plano de negócios que trouxe consigo também um novo reforço da visão, missão e objectivos estratégicos para serem atingidos durante o triénio 2001-2003.

Na envolvente regulamentar, foram aprovados pelo Governo o novo estatuto do regulador e os regulamentos sobre o regime do licenciamento e o regime de interligação com o novo operador móvel no âmbito da reforma do sector das telecomunicações. Por outro lado, a Assembleia da República aprovou a alteração da Lei 14/99, que reduz o período de exclusividade do serviço fixo atribuí­do à empresa e permite o acesso internacional ao novo operador do serviço móvel celular.

Foi na sequência deste quadro jurídico-legal, que a empresa deu continuidade à sua preparação para a sua privatização, bem como à criação de condições para enfrentar o aparecimento da concorrência e garantir a interligação com o novo operador a ser licencia­do na área da prestação do serviço móvel.

Durante o ano de 2001, as Telecomunicações de Moçambique, EP mantiveram um nível elevado de investimento na infra-estrutura da rede e obtiveram excelentes resultados durante o seu exercício, que mostram claramente a continuação de um programa de desenvolvimento sustentado da empresa em consonância com os objectivos do Plano Quinquenal do Governo.

Assim, os proveitos operacionais líquidos atingiram 2.452 milhões de contos em 2001, correspondendo a um crescimento de 45 % em relação ao ano anterior, com especial relevo para o desempenho dos serviços fixo e móvel. Como resultado da acção desenvolvida, o resultado líquido ascendeu a 115,5 milhões de contos, o que representa um crescimento de 32 % relativamente a 2000.

O desempenho da rede em 2001 foi bastante satisfatório tendo em conta o comportamento dos principais indicadores de disponibilidade e qualidade. Para dar resposta às reclamações dos clientes relativamente às chamadas nacionais, foi iniciado o procurement de um sistema para apresentação da factura detalhada das chamadas nacionais.

Em relação a novos serviços, foi feito o lançamento comercial do serviço RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) e serviço Audiotexto fornecido pela subsidiária Teleserve, tendo também sido instalados dois estúdios de videoconferência em Maputo e na Beira.

Em termos de estratégia de diversificação da oferta foi introduzido o desconto de 50% nas chamadas locais durante o período nocturno, fins-de-semana e dias feriados, criando condições de acesso mais atractivas para o mercado residencial e internautas.

Ao abrigo do Plano de Investimento de 2001, prosseguiu o esforço de expansão e modernização da Rede Nacional de Telecomunicações, com realce para o desenvolvimento da espinha dorsal de banda larga da rede fixa e a expansão rápida da rede móvel a nível nacional. O volume de investimentos para os projectos de desenvolvimento da infra-estrutura da rede fixa e rede móvel foi de cerca de 982 milhões de contos.

Merece destaque especial o prosseguimento do projecto da Rede Nacional de Transmissão, Fase I, cuja adjudicação foi feita em 2000 através de um contrato no valor de 32,4 milhões de USD para o fornecimento e instalação de um sistema de cabo submarino de grande capacidade ligando as cidades de Maputo e Beira, com três pontos de amarração em Xai-Xai, Inhambane e Vilankulo.

Entre os projectos mais importantes concluídos durante o ano de 2001, contam-se o projecto de comunicações crossborder Chimoio-Mutare (Zimbabwe), a activação da estação terrena de Chimoio, os projectos integrados de Machipanda e Gondola, a activação do feixe hertziano digital Xai-Xai-Inhambane-Massinga implementado com recurso às soluções de acesso em Chizavane, Madender, Zandamenla, Quissico e Inharrime, o feixe digital entre o Monte Ponduíne (Namaacha) e a vila da Moamba, e a activação de sistemas de comutação digital na região sul num total de 14.476 linhas de rede.

A nível da rede móvel, merecem destaque as acções empreendidas no âmbito das diversas fases do respectivo projecto de desenvolvimento, que culminaram com a expansão da rede  e o aumento da capacidade em várias cidades, vilas e localidades, nomeadamente, Maputo e arredores, Nampula, Nacala, Ilha de Moçambique, Inhambane, Maxixe, Praia do Tofo, Quelimane, Tete, Moatize e Songo. Mantém-se o excelente nível de adesão ao serviço móvel a justificar o nível dos investimentos feitos.

A nível de estudos de viabilidade e procurement de projectos, foram concluídos os cadernos de encargo e lançados os respectivos concursos para o desenho, fornecimento e instalação de uma rede em fibra óptica de interligação e acesso e uma rede de centrais telefónicas de trânsito regional e locais para a cidade de Maputo. No âmbito da cobertura rural da rede fixa, prosseguiram as negociações com os financiadores para se avançar com os projectos integrados de comunicações nas provínciais de Gaza, Inhambane e Tete.

Para responder de forma rápida e eficiente às crescentes necessidades de desenvolvimento da rede móvel celular foi assinado um acordo de longa duração com o fornecedor visando o fornecimento e instalação de equipamentos e sistemas diversos no valor de 36 milhões de euros para os próximos 3 anos.

A nível da rede de transporte em banda larga, foram assinados um contrato para o fornecimento e instalação de um feixe hertziano digital de grande capacidade para a ligação Beira-Chimoio-Manica e um acordo com a HCB-Hidroeléctrica de Cahora Bassa para um estudo visando a instalação de uma fibra óptica ao longo do troço Chimoio-Tete-Songo.

A criação de uma infra-estrutura moderna, que esteja à altura das necessidades nacionais e que seja capaz de assegurar a transformação da actual rede numa verdadeira Infra-estrutura Nacional de Informação, constitui o principal desafio e continua a ser a maior prioridade da empresa.

Durante o ano de 2001, a empresa desenvolveu esforços significativos para fortalecer a sua capacidade profissional e dar resposta aos principais desafios impostos pela nova dinâmica do mercado laboral. Assim, foi concebido pela empresa um Sistema de Gestão e Desenvolvimento de Competências, que conduziu á definição do portfólio de competências-chave, através do mapeamento das competências transversais e específicas requeridas pelas estratégias do plano de negócios. Enquadrado na concepção do sistema, foi também elaborado um plano de desenvolvimento dos recursos humanos e das condições de suporte que permitirão a criação das competências identificadas.

O índice de colaboradores por mil linhas de rede passou de 27 em 2000 para 26 em 2001, como resultado da contenção do efectivo, crescimento do parque telefónico e aumento da produtividade. Em Dezembro de 2001, o número total de colaboradores da empresa era de 2.308, dos quais 72% representavam o conjunto de técnicos licenciados, bacharéis e médios.

A actividade desenvolvida ao longo do ano de 2001 vai certamente criar as condições fundamentais para enfrentar os novos e complexos desafios que os próximos tempos nos reservam, com a necessária confiança para continuarmos a ser uma organização de sucesso, de modo a que possamos garantir uma vantagem competitiva no futuro.

Para terminar, agradecemos ao Governo, enquanto accionista principal, pelo apoio e confiança que sempre tem sido a essência do nosso relacionamento. Aos nossos clientes, agradecemos pela fidelidade e pela receptividade às inovações que temos procurado implementar, sempre com o objectivo de melhorar os nossos produtos e serviços  apoiados por um atendimento cada vez mais personalizado. Finalmente, aos nossos gestores, quadros e colaboradores em geral, vai o nosso especial agradecimento, pela dedicação e entusiasmo que tanto contribuiram para os excelentes resultados deste ano.

Rui Fernandes
Presidente do Conselho de Administração

 
© 2001 2002 2003 TDM.Todos os Direitos reservados